ISSN 2183 - 3990       

Arquivo de Artigos

ARQUIVO DE PUBLICAÇÕES

 
 
 
REV 1 ARQUIVO   
 
   REVISTAIMAGEM2015
 
   REVISTAIMAGEM3
 
   REVISTAIMAGEM4
 REVISTAIMAGEM5  EDUPSI revista 5 1

Mestrado em Psicologia da Educação

Ana Margarida da Silva Ramos
2014

A Aprendizagem Cooperativa no 1º ciclo do Ensino Básico. Efeitos a nível do autoconceito e na aquisição de competências sociais
Orientadores: Professor Doutor José Pinto Lopes
Professora Doutora Maria Helena Santos Silva

A presente investigação pretendeu verificar os efeitos da aprendizagem cooperativa nas competências sociais e no autoconceito, em alunos do 1º ciclo do ensino básico. O estudo, realizado em contexto natural de sala de aula, segue uma abordagem de natureza mista e de carácter longitudinal baseado num estudo de uma turma do 2º ano de escolaridade composta por 27 alunos com média de idades de 7 anos. Destes 27 alunos, dois foram escolhidos para observação em contexto natural de sala de aula. Na recolha de dados inserem-se dados recolhidos ao longo de dez sessões em que se realizaram as tarefas de investigação, sendo que os momentos de recolha de dados decorreram antes e após estas sessões.
Tendo em vista a prossecução dos objetivos, utilizou-se como instrumento para avaliação das competências sociais a Escala de Competências Sociais K-6 (forma para Professores) (Lemos & Menezes, 2002) e para a avaliação do autoconceito utilizámos a Escala de Perceção do Autoconceito Infantil (Loureiro, et al., 2010). Para a observação dos alunos recorremos à grelha de observação e ao diário do professor. Os resultados do estudo demonstraram que a utilização da aprendizagem cooperativa incrementou as habilidades sociais, diminuíram os problemas de comportamento, e, não surtiu efeito ao nível das competências académicas e do autoconceito, uma vez que os resultados mantiveram-se estáveis ao longo da intervenção.
Palavras-chave: Aprendizagem cooperativa; competências sociais; autoconceito


The cooperative learning in elementary school. Effects in the self-concept and in acquisition of social skills

The aim of this research is to investigate the effects of cooperative learning in social skills and self-concept, on students of the 1st cycle of basic education. The study, conducted on the natural context of the classroom, following an approach of mixed nature and character based on a longitudinal study of a class of 2nd year consists of 27 students with an average age of 7 years. Of these 27 students, two were chosen for observation in the natural context of the classroom. The data was data collected over ten sessions in which they performed the tasks of research, and the time of data collection took place before and after these sessions.
With a view to pursuing the objectives, was used as a tool for evaluation of social skills - Social Skills Scale of K-6 (Teacher version) (Lemos & Menezes, 2002) and for the evaluation of self-used the Perception of Self-Concept Scale Infant (Loureiro et al., 2010). For the observation of the students we used the observation grid and the teacher's diary. The study results showed that the use of cooperative learning increased social skills, decreased behavioural problems, and had no effect at the level of academic skills and self-concept, since the results were stable during the intervention.
Keywords: Cooperative learning; social skills; self-concept

Ana Rita Vieira
2014

A Importância da Aprendizagem Cooperativa no Desenvolvimento das Competências Sociais no Pré-Escolar
Orientadores: Professor Doutor José Pinto Lopes
Professora Doutora Maria Helena Santos Silva


A presente dissertação de mestrado teve como principal objetivo verificar a importância da aprendizagem cooperativa na aquisição/desenvolvimento de competências sociais em 13 crianças do ensino pré-escolar cujas idades rondam os quatro/cinco anos. Com este fim em vista foi planificado um plano de intervenção com recurso a atividades de aprendizagem cooperativa com o objetivo de proporcionar a aquisição/desenvolvimento de competências sociais. O programa de intervenção foi dividido em três fases: fase de pré-implementação, implementação do programa de competências sociais e fase de pós-implementação. Os instrumentos utilizados para a recolha de dados foram a Escala de Competências Sociais (K-6) de Serra de Lemos e Meneses (2002) e uma grelha de observação construída com o objetivo de registar a aquisição/desenvolvimento das competências sociais em estudo. Com a análise da Escala K-6 e dos registos da grelha de observação verificou-se que as crianças melhoraram as suas capacidades de autocontrolo como por exemplo, reagir impulsivamente/agressivamente. No domínio/aquisição de competências sociais as crianças, após o programa interventivo, passaram a cooperar de forma harmoniosa, partilhando os materiais, ouvindo e respeitando os colegas de grupo. As crianças melhoraram as suas competências assertivas uma vez que os trabalhavam de forma mais harmoniosa. As crianças integravam-se com mais facilidade em atividades em decurso, colaboravam adequadamente, auxiliavam os colegas e conviviam com o grupo de pares. A nível dos comportamentos foi possível diminuir comportamentos mais agressivos, como seja lutas, agressões físicas e/ou verbais, mudanças repentinas de temperamento, responder agressivamente à educadora e impulsividade. Os resultados comprovaram a importância da aprendizagem cooperativa na aquisição/desenvolvimento das competências sociais, tendo também contribuído para a diminuição de comportamentos agressivos, hiperativos e outros problemas de comportamento. Concluiu-se que os métodos cooperativos se revelaram importantes e eficientes na melhoria das competências sociais em estudo.
Palavras-chave: aprendizagem cooperativa, competências sociais, pré-escolar
The Importance of Cooperative Learning in the Development of Social Skills in Preschool.
This dissertation has like its primary goal to assess the importance of cooperative learning in the acquisition/development of social kills for 13 pre-schoolers, within the age range of 4-5 years old. With this goal in mind it was formed an intervention plan, with activities of cooperative learning with the primary goal to assess the importance of cooperative learning in the acquisition/development of social kills. The intervention plan was divided in three phases: pre-implementation, implementation of the social skills program and post-implementation. The tools used to the collected data was the "Escala de Competências Sociais de Serra de Lemos e Meneses (2002) and an observation report formed with the goal of registering and complementing the acquisition/development of social kills. With the analysis of the K-6 scale and of the noted observations, it was proved that the children improved their self-control abilities like for example, impulsive and aggressive reactions. Concerning the acquisition of social skills, the children, after the intervention program, started cooperating kindly, sharing the supplies, listening and respecting the rest of the group. The children started integrating easily in group activities; they participated accordingly, helped their peers and had a healthy relationship with each other. When it comes to behaviors it was possible to low the levels of aggressiveness, like fighting and verbal/physical behaviors, sudden changes of mood and violent answers towards the teachers. The results proved the importance of the cooperative learning in the acquisition/development of social kills, and also contributed to the decrease of aggressive behaviors, hyperactive and behavioral problems. It was settled that the cooperative methods revealed to be quite important and effectives in the improvement of the social skills being studied.
Keywords: cooperative learning, social skills, preschool.


Mestrado em Ciências da Educação: Especialização em Educação Especial – Domínio Cognitivo e Motor
Cecília Mendes Espinho Brito
2014
Orientador: Professor Doutor Eduardo Chaves
Avaliação das Técnicas Comportamentalistas pelos Docentes do 1.º Ciclo do Ensino Básico em Crianças com Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção

A Perturbação de Hiperatividade com Défice de Atenção é uma perturbação neuro-comportamental que caracteriza por padrões persistentes e níveis desadequados de desatenção e/ou hiperatividade-impulsividade, sendo o distúrbio mais frequente em idade escolar, pelo que se torna pertinente que o professor saiba intervir adequadamente, recorrendo a estratégias educativas e comportamentais apropriadas, tendo em vista o sucesso académico e a integração social. Ciente desta realidade, desenvolveu-se esta investigação com o objetivo de identificar e avaliar as técnicas comportamentalistas, baseadas no reforço positivo e na punição, mais utilizadas pelos docentes do 1.º Ciclo do Ensino Básico na intervenção com alunos com esta perturbação. Tendo em consideração o objetivo geral do estudo e os objetivos específicos do mesmo definiram-se seis questões de investigação às quais procuramos dar resposta através da aplicação de um questionário a duzentos e cinquenta docentes. Os resultados obtidos evidenciam que quase todos os docentes já utilizaram o Contrato de Contingências, o Custo da Resposta, o Programa de Economia de Fichas e o Time-Out no trabalho com crianças com esta perturbação. As diferentes técnicas comportamentalistas são consideradas pelos docentes como eficazes na maioria das situações, com exceção do Time-Out, no entanto utilizamcom maior frequência o Contrato de Contingências e o Custo da Resposta.
Palavras-chaves:Perturbação de Hiperatividade com Défice de Atenção; Time-Out; Programa de Economia de Fichas; Custo da Resposta; Contrato de Contingências.
Assessment of the behaviorist techniques used by teachers of the 1ST Cycle of Basic Education in children with Attention Deficit Hyperactivity Disorder
Attention Deficit Hyperactivity Disorder is a neurobehavioral disorder which is characterized by persistent patterns and inadequate levels of inattention and/or hyperactivity-impulsivity, being the most frequent disorder in school age, by that it becomes pertinent that the teacher knows how to intervene appropriately, using appropriate educational and behavioral strategies, considering academic success and social integration. Aware of this reality, it was developed this study with the purpose of identifying and evaluating the behaviorist techniques, based on positive reinforcement and punishment, most used by teachers of the 1ST Cycle of Basic Education in intervention with students with this disorder. Considering the overall objective of the study and the specific objectives of the same there were defined six research questions to which we sought to respond through the application of a questionnaire to two hundred and fifty teachers. The results show that almost all teachers have already used the Contingencies Contract, the Cost of the Response, The Token Economy Program and The Time-out, in the classroom context, to work with children with Attention Deficit Hyperactivity Disorder. We’ve founded yet that the different behaviorist techniques are considered by the teachers as effective in most situations, with the exception of Time-out; however they used most frequently the Contingencies Contract and the Cost of the Response.
Keywords: Attention Deficit Hyperactivity Disorder; Time-out; Token Economy Program; Cost of the Response; Contingencies Contract.


Paulo Guilherme Valadão Coelho Rocha de Macedo
2014
A Perceção dos Professores face à Importância da Família e da Escola no Desenvolvimento do Aluno com Deficiência Mental
Orientadores: Professora Doutora Margarida Simões
Professora Doutora Ana Paula Monteiro


No presente estudo pretendeu-se conhecer as perceções dos professores face à importância da família e da escola no desenvolvimento do aluno com deficiência mental. Neste sentido, foi delineada uma pesquisa tendo como instrumento de recolha de dados, um inquérito questionário, administrado a 106 professores de vários níveis de ensino dos Agrupamentos de Escolas do Douro e Távora. Os resultados obtidos mostram que a maioria dos professores inquiridos considera que deveria de existir mais formação em educação especial. A maioria dos inquiridos defende, também, a ideia que os professores em geral não possuem formação para ensinarem alunos com deficiência mental. Verificamos que os professores, percecionam o trabalho conjunto entre a família e a escola como um fator que beneficia o desenvolvimento do aluno com deficiência mental. E, a maioria dos inquiridos concordam parcialmente que a inclusão dos alunos deficientes mentais em turmas regulares, será benéfico para o seu desenvolvimento. Por fim, são discutidos os aspetos mais relevantes decorrentes do trabalho de investigação e formuladas algumas propostas que poderão contribuir ou constituir motivo para outras investigações.
Palavras-chave: professores, família, escola, deficiência mental.
The Perception of Teachers face the Importance of Family and School Development in Student with Mental Disabilities

The present study aimed to acknowledge teachers’ perceptions regarding the importance family and school play on the development of Mental Handicapped Students. Bearing this in mind, a research was conducted through a survey questionnaire handed out to 106 teachers, from different levels of teaching, who were working at Agrupamento de Escolas do Douro e Távora. After analysing the gathered data, it became clear that most of the teachers believe that there should be more input/ training regarding Special Education. Most of the inquired also defend the idea that teachers, in general, are ill prepared to make due to the demandings put upon them whenever they are asked to teach/deal with Mental Handicapped Students. According to the teachers’ overall perceptions, mental handicapped students benefit from both the family and the school support and partnership. Moreover, the majority of the inquired partially agree that the inclusion of Mentally Handicapped Students on ordinary classes promote their development (MHS). Finally, the more relevant aspects of this study are discussed and some proposals are outlined, so as to contribute or build other similar studies.
Key words: teachers, family, school, mental disability
Mestrado em Ensino do 1º e 2º CEB

Laura Rodrigues Guedes
2014
A Instrução Direta como Método Facilitador da Cooperação e da Avaliação da Aprendizagem. Efeitos na Motivação e no Autoconceito de alunos do 5º ano de escolaridade
Orientadora: Professora Doutora Maria Helena Santos Silva

A Instrução Direta, a Aprendizagem Cooperativa e a Avaliação Formativa são consideradas dos métodos/técnicas de ensino mais eficazes no sucesso escolar dos alunos. Com base neste pressuposto desenvolveu-se um estudo que teve como objetivo
principal:
- Investigar a influência da utilização da Instrução Direta, com recurso à Aprendizagem
Cooperativa e à Avaliação Formativa, no autoconceito e na motivação para a
aprendizagem.
Com o estudo pretendeu-se ainda, de uma forma complementar, atingir os seguintes
objetivos mais específicos:
- Investigar a perceção dos alunos sobre a importância dos métodos e técnicas utilizadas
na sua aprendizagem;
- Verificar a perceção dos alunos sobre os benefícios sociais, académicos e psicológicos
do trabalho em grupo cooperativo;
- Refletir, considerando os pontos de vista dos alunos e da autora do estudo, sobre
as vantagens e dificuldades da implementação dos diferentes métodos e técnicas utilizadas na prática pedagógica.
O estudo decorreu no âmbito da unidade curricular de Estágio II do curso de Mestrado
em 1º e 2º ciclos do Ensino Básico, durante a responsabilização nas disciplinas de
Matemática, História e Geografia de Portugal e Ciências Naturais, na Escola EB 2,3 Diogo Cão – Vila Real. O estudo decorreu de novembro de 2013 a março de 2014 e envolveu uma turma do 5º ano de escolaridade com 21 alunos, sendo que nove eram do sexo feminino e doze eram do sexo masculino. Para responder aos objetivos propostos foram recolhidos dados através da aplicação dos seguintes instrumentos:
- Escala de motivação intrínseca vs motivação extrínseca na sala de aula;
- Escala de autoeficácia académica;
- Escala de Benefícios da Aprendizagem Cooperativa;
- Questionário sobre a perceção dos alunos sobre a aplicação do método Instrução
Direta, das Técnicas de Avaliação Formativa e dos métodos de Aprendizagem Cooperativa;
- Diários de Aula.
Os dados foram tratados com recurso à abordagem quantitativa e qualitativa. A análise
quantitativa foi utilizada para análise dos dados obtidos com a aplicação da Escala de
motivação intrínseca vs motivação extrínseca na sala de aula; Escala de autoeficácia académica; a Escala de Benefícios da Aprendizagem Cooperativa e das questões fechadas do Questionário sobre a perceção dos alunos sobre a eficácia da Instrução Direta, das Técnicas de Avaliação Formativa e dos métodos de Aprendizagem Cooperativa. A abordagem qualitativa, com recurso à análise de conteúdo, foi utilizada para a análise de questões abertas do Questionário sobre a perceção dos alunos sobre a importância do método Instrução Direta, das Técnicas de Avaliação Formativa e dos métodos de Aprendizagem Cooperativa e dos Diários de Aula. As principais conclusões do estudo apontam para que a utilização do método Instrução Direta, dos métodos de Aprendizagem Cooperativa: Verificação em Pares e Pares e Pensam em Voz Alta para Resolver Problemas e das Técnicas de Avaliação Formativa (TAF): Ponto Enlameado, Cabeças Numeradas Juntas, Cartões Semáforos, Miniteste Construtivo, Variações KWL e Copos Coloridos, permitiu melhorias ao nível da autoeficácia e da motivação dos alunos para aprender, bem como a aquisição de competências sociais como a entreajuda, a partilha de ideias e o respeito pelas ideias dos outros.
Palavras-Chave: Instrução Direta, Aprendizagem Cooperativa, Avaliação Formativa,
aprendizagem, motivação, autoeficácia, competências sociais, psicológicas e académicas
The Direct Instruction as Facilitator of Cooperation and Assessment of Learning. Effects on Motivation and Self-concept in 5th gradeStudents
Direct Teaching, Cooperative Learning and Formative Assessment are considered
the most effective methods/techniques as far as the students’ school success is concerned. Based on this assumption, it has been developed a study case whose main aim was to:
- Investigate the influence of the use of the Direct Teaching, resorting to the Cooperative
Learning and the Formative Assessment, in self-concept and motivation towards
learning.
With this study it was also intended to reach the following specific objectives, in a
more complementary way:
- Investigating the students’ perception about the importance of the used methods
and techniques in the learning process;
- Verifying the students’ perception about the social, academic and psychological
benefits of the work in a cooperative group;
- Thinking back on the advantages as well as the difficulties of the implementation
of these different used methods and techniques in the pedagogical practice, considering
both the students and the author’s points of view. The study took place during the curricular unit of the Internship II inserted in the Master’s degree of First and Second Level of Basic Education, during the accountability of Maths, History and Geography of Portugal, and Natural Science at EB 2,3 Diogo Cão School, Vila Real.
The study went off from November 2013 to March 2014 and it involved a fifth
grade class with twenty-one students (nine girls and twelve boys). In order to answer to
the proposed objectives, the data was gathered through the application of the following
instruments:
- A scale of intrinsic motivation versus extrinsic motivation in the classroom;
- A scale of academic self-efficiency;
- A scale of Cooperative Learning benefits;
- Questionnaires on the students’ perception about the application of Direct Learning,
Formative Assessment techniques and Cooperative Learning methods;
- Class diaries.
The data was treated using the qualitative and quantitative approach. The quantitative
analysis was used for the analysis of the obtained data from the application of the
scale of intrinsic versus extrinsic motivation in the classroom, the scale of academic selfefficiency, the scale of the Cooperative Learning benefits and also of the closed questions of the questionnaire on the students’ perception about the application of the Direct Learning Formative Assessment and Cooperative Learning. The qualitative analysis, resorting to the analysis of content, was used to analyse the open questions of the referred questionnaire
and the class diaries. The main conclusions of the study case pointed to the use of the Direct Teaching, Cooperative Learning methods (Pairs Check, Think Aloud Pair Problem Solving ), and Formative Assessment (TFA) such as Muddiest Point, Numbered Heads Together, Traffic Lights Cups, Traffic Lights Cards, Short quiz KWL variations and which allowed improvements at the level of the self- efficiency and the students’ motivation towards the learning, as well as the acquisition of social competences like sharing ideas, helping each other and respecting other’s ideas.
Key Words: Direct Teaching, Cooperative Learning, Formative Assessment, learning,
motivation, self-efficiency, social/psychological/academic competences

Editores Gerais/Editors-in-Chief
- Helena Santos Silva, Ph.D. – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
- José Lopes, Ph.D.  - Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

 

 A revista E-EduPsi é uma revista eletrónica de acesso livre, semestral, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, que visa publicar artigos originais de revisão teórico-concetual, de investigação empírica e recensões críticas, nas áreas da educação e da psicologia, de forma a dar visibilidade à investigação e à reflexão nas referidas áreas e contribuir para a divulgação de conhecimento multidisciplinar.
Também é intuito desta revista publicar trabalhos sobre práticas refletidas que auxiliem educadores, professores, psicólogos e outros profissionais na melhoria do exercício das suas funções. Um dos objetivos fundamentais da E-EduPsi prende-se com a possibilidade de poder servir de interface entre os contextos universitário, social e empresarial, abrindo eventualmente caminhos conjuntos e discussões integradoras.
Os artigos a publicar podem ser submetidos em português, galego, espanhol, inglês e francês. A revista conta com um corpo editorial que integra elementos de diferentes instituições e especializações que asseguram a avaliação dos artigos submetidos. Especificamente, a E-EduPsi aceita a submissão de artigos científicos de cariz nacional ou transcultural, quer sejam pesquisas quantitativas (estudos descritivos, correlacionais, causais-comparativos ou experimentais), quer sejam pesquisas qualitativas (estudos fenomenológicos, grounded theory e estudos de caso).
A revisão dos textos é feita respeitando as regras do anonimato.

 

 

 

 

     

 

 

 

 

    

Download Template 

Manuscritos

O manuscrito submetido à revista E-EduPsi não pode ter sido publicado em outro meio de divulgação (jornal, revista, livro, etc.) e não pode ser simultaneamente submetido ou publicado em outro lugar.

Todas as submissões de manuscritos devem seguir as Normas de Publicação da APA: Publication Manual of the American Psychological Association (6ª edição, 2010), no que diz respeito ao estilo de apresentação do manuscrito e aos aspectos éticos inerentes à realização de um trabalho científico. A cópia do parecer da Comissão de Ética em Pesquisa, quando pertinente, deve ser enviada na submissão do manuscrito. Sem esta cópia o manuscrito não iniciará o processo editorial. Excetuam-se as situações específicas onde há conflito com a necessidade de se assegurar o cumprimento da revisão cega por pares, regras do uso da língua portuguesa, ou procedimentos internos da revista, inclusive características da submissão electrónica. 

A revisão dos manuscritos é cega quanto à identidade dos autores, neste sentido é responsabilidade destes a verificação de que não há elementos capazes de identificá-los em qualquer outra parte do manuscrito, inclusive nas propriedades do arquivo. O e-mail com os dados dos autores não será encaminhado aos consultores ad hoc.

A revista e-edupsi aceita manuscritos em português, inglês, espanhol, galego e francês.

Os manuscritos devem estar em formato doc e não exceder o número máximo de páginas indicado para cada tipo de manuscrito (iniciando no Resumo como página 1 e incluindo Resumo, Abstract, Figuras, Tabelas, Anexos e Referências, além do corpo do texto), que seriam:

Relatos de investigação - relatos de pesquisas originais realizadas, de caráter quantitativo e/ou qualitativo, apresentados de acordo com a seguinte sequência: resumo, introdução, método, resultados, discussão e referências (nº máximo de 20 páginas);

Artigos teóricos ou revisões críticas de literatura - sobre temas atuais do âmbito da psicologia e da educação, que englobem um corpo abrangente de investigação, referente a(s) matéria(s) em análise (nº máximo de 20 páginas); 

Resenhas de livros - análise crítica de obras apresentando ao leitor as suas características e contributos para o âmbito da educação ou da psicologia (nº máximo de 5 páginas);

Relatos de experiência profissional - estudos de caso que apresentem procedimentos ou estratégias de intervenção eficazes para o exercício da psicologia em diferentes áreas, ou para a intervenção em educação (nº máximo de 15 páginas). 

II. Diretrizes Gerais

A. Papel: Tamanho A4 (21 x 29,7cm). O manuscrito, sendo um relato de investigação, ao todo não deve passar do nº máximo de 20 páginas desde o Resumo até as Referências, incluindo as Tabelas, Figuras e outros Anexos que devem ser colocados no final, separadamente uma em cada página.

B. Fonte: Times New Roman, tamanho 12, ao longo de todo o texto, incluindo Referências, Notas de Rodapé, Tabelas, etc.

C. Margens: 2,5 cm em todos os lados (superior, inferior, esquerda e direita).

D. Espaçamento: espaço duplo ao longo de todo o manuscrito, incluindo Folha de Rosto, Resumo, Corpo do Texto, Referências, etc.

E. Alinhamento: esquerda

F. Recuo da primeira linha do parágrafo: tab = 1,25cm

G. Numeração das páginas: no canto direito na altura da primeira linha de cada página no cabeçalho.

H. Cabeçalho de página: deve ser inserido o título reduzido com 2 a 3 palavras aparecendo cinco espaços à esquerda do número da página. O cabeçalho é usado para identificar as páginas do manuscrito durante o processo editorial. 

I. Endereços da Internet: Todos os endereços "URL" (links para a internet) no texto (ex.: http://wokinfo.com/) deverão estar activos.

J. Ordem dos elementos do manuscrito: Folha de rosto sem identificação, Resumo e Abstract, Corpo do Texto, Referências, Anexos, Notas de Rodapé, Tabelas e Figuras. Inicie cada um deles em uma nova página.

III. Elementos do manuscrito:

A. Folha de rosto sem identificação: título em português (máximo 15 palavras, maiúsculas e minúsculas, centralizado) e o título em inglês compatível com o título em português.

B. Folha de rosto com identificação do nome do autor (ou autores) contendo: 

1. Título em português, não devendo exceder 15 palavras. 

2. Título em inglês, compatível com o título em português. 

3. Nome de cada autor, seguido de afiliação institucional e categoria profissional aquando da submissão do trabalho. 

4. Indicação do endereço eletrónico para correspondência com a revista.

C. Resumos em português: Parágrafos com no máximo 200 palavras (artigos), ou 150 palavras (comunicações breves), com o título Resumo escrito centralizado na primeira linha abaixo do cabeçalho. Ao fim do resumo, listar pelo menos três e no máximo cinco palavras-chave em português (em letras minúsculas e separadas por ponto e vírgula). O resumo em inglês (abstract), que deve ser fiel ao resumo em português, porém, não uma tradução "literal" do mesmo. Ou seja, a tradução deve preservar o conteúdo do resumo, mas também adaptar-se ao estilo gramatical inglês. A E-EduPsi reserva-se o direito de fazer a revisão final do abstract se necessário. Trata-se de um item muito importante do trabalho, pois em caso de publicação estará disponível em todos os indexadores da revista. O abstract deve ser seguido das keywords (versão em inglês das palavras-chave).

D. Corpo do Texto: Não é necessário colocar título do manuscrito nessa página. As subsecções do corpo do texto não começam cada uma numa nova página, os seus títulos devem estar centralizados, e ter a primeira letra de cada palavra em letra maiúscula (por exemplo, Resultados, Método e Discussão, em artigos empíricos). Os subtítulos das subsecções devem estar em itálico e ter a primeira letra de cada palavra em letra maiúscula (por exemplo, os subtítulos da subsecção Método: Participantes ou Análise de Dados). 

As palavras Figura, Tabela, Anexo que aparecerem no texto devem ser escritas com a primeira letra em maiúscula e acompanhadas do número (Figuras e Tabelas) ou letra (Anexos) ao qual se referem. Os locais sugeridos para inserção de figuras e tabelas deverão ser indicados no texto.

Sublinhados, Itálicos e Negritos: Sublinhe palavras ou expressões que devam ser enfatizadas no texto impresso, por exemplo, "estrangeirismos" como self, locus, etc. Não utilize itálico (menos onde é requerido pelas normas de publicação), negrito, marcas de água ou outros recursos que podem tornar o texto visualmente atrativo, pois acarretam dificuldades na secção editorial.

Dê sempre crédito aos autores e às datas de publicação de todos os estudos referidos. Todos os nomes de autores cujos trabalhos forem citados devem ser seguidos da data de publicação. Todos os estudos citados no texto devem ser listados na secção de Referências. Esta questão constitui um fator de rejeição do manuscrito sempre que não esteja cumprida.

Exemplos de citações no corpo do manuscrito:

Os exemplos abaixo auxiliam na organização de seu manuscrito, mas certamente não esgotam as possibilidades de citação em seu trabalho. Utilize o Publication Manual of the American Psychological Association (2010, 6ª edição) para verificar as normas para outras referências.

1.Citação de artigo de um único autor:
De acordo com Loureiro (2010, p. 15)….

2.Artigo com dois autores: cite os dois nomes sempre que o artigo for referido:

Lopes e Silva (2006) fizeram a análise qualitativa...

Esta análise qualitativa (Lopes & Silva, 2006)...

Artigo com três a cinco autores: cite todos os autores só na primeira citação e nas seguintes cite o primeiro autor seguido de et al., data.

A literatura desta área foi revista por Simões, Monteiro, Remondes-Costa e Relva (2006)...

Isto foi descrito noutro artigo (Simões et al., 2006).

Artigo com seis ou mais autores: cite no texto apenas o sobrenome do primeiro autor, seguido de "et al." e da data.

Porém, na secção de Referências Bibliográficas todos os nomes dos autores deverão ser relacionados.

3. Citações de obras antigas e reeditadas
De facto, Bowlby (1969/1988)

...na abordagem da teoria da vinculação (Bowlby, 1969/1988).

Na secção de referências, citar

Bowlby, J. (1988). A secure base: Parent-child attachment and healthy human development. London: Basic Books. (Original published in 1969)

NOTA: Citações com menos de 40 palavras devem ser incorporadas no parágrafo do texto, entre aspas. Citações com mais de 40 palavras devem aparecer sem aspas, num parágrafo em formato de bloco, com cada linha recuada 5 espaços da margem esquerda. Citações com mais de 500 palavras, reprodução de uma ou mais figuras, tabelas ou outras ilustrações devem ter permissão escrita do detentor dos direitos autorais do trabalho original para a reprodução. A permissão deve ser endereçada ao autor do trabalho submetido. Os direitos obtidos secundariamente não serão repassados em nenhuma circunstância. A citação direta deve ser exata, mesmo se houver erros no original. Se isso acontecer e correr o risco de confundir o leitor, acrescente a palavra [sic], sublinhado e entre aspas, logo após o erro. Omissão de material de uma fonte original deve ser indicada por três pontos (...). A inserção de material, tais como comentários ou observações devem ser feitos entre aspas. A ênfase numa ou mais palavras deve ser feita com fonte sublinhada.

Atenção: Não use os termos apud, op. cit., id., ibidem e outros. Eles não fazem parte das normas da APA (2010, 6ª edição).

D. Referências:
Inicie uma nova página para a secção de Referências, com este título centralizado na primeira linha abaixo do cabeçalho. Apenas as obras consultadas e mencionadas no texto devem aparecer nesta secção. Continue a utilizar o espaço duplo e não deixe um espaço extra entre as citações. As referências devem ser citadas por ordem alfabética pelo sobrenome dos autores, de acordo com as normas da APA (veja alguns exemplos abaixo). Utilize o Publication Manual of the American Psychological Association (2010, 6ª edição) para verificar as normas não mencionadas aqui.

Em casos de referência a múltiplos estudos do(a) mesmo(a) autor(a), utilize a ordem cronológica, ou seja, do estudo mais antigo ao mais recente. Nomes de autores não devem ser substituídos por travessões ou traços.

 

EXEMPLOS DE REFERÊNCIAS:
1. Artigo de revista científica

Carvalho, M. J. (2011). As multirracionalidades no contexto da organização escolar. Revista Portuguesa de Educação, 24, 33-56.

Loureiro, A., & Cristóvão, A. (2008). A relação dos técnicos de educação de adultos com o discurso pedagógico oficial: um caso a norte de Portugal. Educação & Sociedade, 29, 1113-1135.

2. Artigo de revista científica paginada por fascículo
Bertelli, R., Bianchi, J. J. P., & Cruz, E. C. (2010). Revisão do conhecimento actual sobre a demência com corpos de Lewy. CIDESD: Boletim Informativo do Grupo da Saúde, 2(1), 7.

Monteiro, A. P., Serrano, G., & Rodríguez, D. (2012). Estilos de gestión del conflicto, factores de personalidad y eficacia en la negociación. Revista de Psicología Social, 27(1), 97-109.

Relva, I., Fernandes, O. M., & Mota, C. P. (2013). Exploration of sibling violence predictors. Journal of Aggression, Conflict and Peace Research, 5(1), 46-62. 

Rocha, M. (2012). Transferable skills representations in a Portuguese college sample: Gender, age, adaptability and vocational development. European Journal of Psychology and Education, 27(1), 77-90. DOI: 10.1007/s10212-011-0067-4. 

 

3. Artigo de revista científica editada apenas em formato eletrónico
Silva, S. C. da (2006, February). Estágios de Núcleo Básico na formação do psicólogo experiências de desafios e conquistas. Psicologia para América Latina, 5, 2006, Retrieved in May 12, 2006, from http://scielo.bvs-psi.org.br

Almeida, L., Alves, A., Fernandes, H., & Remondes-Costa, S. (2012). Sistema Nervoso Autónomo: mecanismo mecânico fonte do equilíbrio corporal. Psicologia na Atualidade. http://www.psicologianaactualidade.com/trabalhos_academicos.html

4. Livros
Escola, J. (2011). Gabriel Marcel. Comunicação e educação. Porto: Edições Afrontamento.

Ferreira, C. A. (2007). A Avaliação no quotidiano da sala de aula. Porto: Porto Editora.

Silva, H., & Lopes, J. (2011). O professor faz a diferença. Contributos do professor para a aprendizagem e realização escolar do aluno. Lisboa: Lidel – Edições Técnicas, Lda.

 

5. Capítulo de livro
Barroso, R., Manita, C., & Nobre, P. (2010). The influence of family dynamics in young sexual offendersʼ behaviours. In H. Gavin & J. Bent (Eds). Sex, drugs and rock & roll: Psychological, legal and cultural examinations of sex and sexuality (pp. 237-244). Oxford: Inter-Disciplinary Press. ISBN: 978-1-84888-031-3

Mota, C.P., & Matos, P. M. (2011). Adolescência e conflitos parentais: Uma perspectiva de resiliência. In P. M. Matos, C. Duarte, & M. E. Costa (Coords.). Famílias: Questões de desenvolvimento e intervenção (pp. 125-251). Porto: LivPsic.

6. Obra antiga e reeditada em data muito posterior

Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas. (Original published in 1979).

7. Autoria institucional
American Psychiatric Association. (2000). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (4th ed., text rev.). Washington, DC: Author.

8. Atas em Eventos científicos
Bastos, A., & Carvalho, A.A. (2006). A utilização das tecnologias da informação e comunicação nas escolas do 1º Ciclo do ensino básico: Um estudo no concelho de Vila Real”, in Actas do 8th International Symposium on Computers in Education (pp. 213-221). Universidad de León, León, Espanha.

 

Monteiro, A. P., Rodríguez, D. & Serrano, G. (2007). Construcción de un inventario de negociación. En C. L. Guillén & R. Guil (Coords.), Psicología Social: Un encuentro de perspectivas (Vol. II, pp. 1479-1485). Cádiz: Asociación de Profesionales de Psicología Social.

 

Remondes-Costa, S.I., & Pais-Ribeiro, J.L. (2012). Depois do adoecer da mama: o sentido e o significado da vida – dois casos clínicos de crescimento pessoal em terapia psico-oncológica. Livro de Actas 9º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde. J.L.Pais Ribeiro, I. Leal, A. Pereira, A. Torres, I. Direito, & P. Vagos (Eds.) (pp.1200-1207). Lisboa: Placebo.

Simões, M., Gonçalves, R., & Lopes, J. (2010). Adaptação do “Youth Psychopathic Traits Inventory" (YPI): Estudo preliminar. Actas do VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia. (pp.30-34). Braga: Associação Portuguesa de Psicologia.

 

9. Teses ou dissertações não publicadas 

Simões, M. (2011). Psicopatia na adolescência. Tese de Doutoramento em Psicologia, Universidade da Beira Interior, Covilhã. 

E. Anexos: Evitar. Somente devem ser incluídos se contiverem informações consideradas indispensáveis, como testes não publicados ou descrição de equipamentos ou materiais complexos. Os Anexos devem ser apresentados cada um em uma nova página. Os Anexos devem ser indicados no texto e apresentados no final do manuscrito, identificados pelas letras do alfabeto em maiúsculas (A, B, C, e assim por diante), se forem mais de um.

F. Notas de rodapé: Devem ser evitadas sempre que possível. No entanto, se não houver outra possibilidade, devem ser indicadas por algarismos arábicos no texto e apresentadas após os Anexos. O título (Notas de Rodapé) aparece centralizado na primeira linha abaixo do cabeçalho. Recue a primeira linha de cada nota de rodapé em 1,25cm e numere-as conforme as respetivas indicações no texto.

G. Tabelas: Devem ser elaboradas em Word (.doc). No caso de apresentações gráficas de tabelas, use preferencialmente colunas, evitando outras formas de apresentação como gráficos redondos, etc. Nestas apresentações evite usar cores. Cada tabela começa em uma página separada. A palavra Tabela é alinhada à esquerda na primeira linha abaixo do cabeçalho e seguida do número correspondente à tabela. Dê um espaço duplo e digite o título da tabela à esquerda, em itálico e sem ponto final, sendo a primeira letra de cada palavra em maiúsculo. Não devem exceder 17,5 cm de largura por 23,5 cm de comprimento.

H. Figuras: Devem ser do tipo de arquivo JPG e apresentadas em uma folha em separado. Não devem exceder 17,5 cm de largura por 23,5 cm de comprimento. A palavra Figura é alinhada à esquerda na primeira linha abaixo do cabeçalho e seguida do número correspondente à figura. Dê um espaço duplo e digite o título da figura à esquerda, em itálico e sem ponto final, sendo a primeira letra de cada palavra em maiúsculo.

As palavras Figura, Tabela e Anexo que aparecerem no texto devem, sempre, ser escritas com a primeira letra em maiúscula e devem vir acompanhadas do número (para Figuras e Tabelas) ou letra (para Anexos) respetivo ao qual se referem. A utilização de expressões como "a Tabela acima" ou "a Figura abaixo" não devem ser utilizadas, porque no processo de edição a localização das mesmas pode ser alterada. As normas da APA (2010, 6ª edição) não incluem a denominação de Quadros ou Gráficos, apenas Tabelas e Figuras.

NOTA: Todo o processo editorial da E-EduPsi é feito eletronicamente no sítio edupsi.utad.pt. Manuscritos recebidos por correio convencional, fax ou qualquer outra forma de envio não serão apreciados pelos editores.

Processo de Avaliação pelos Pares

Os manuscritos recebidos eletronicamente em This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.  que estiverem de acordo com as normas da revista e que forem considerados como potencialmente publicáveis pela REVISTA EDUPSI serão encaminhados pelo editor para Editores Associados ou para avaliadores ad hoc. Os Editores Associados farão o encaminhamento de manuscritos de suas áreas de especialidade a avaliadores ad hoc e Conselheiros.

Os avaliadores poderão recomendar aos editores a aceitação sem modificações, aceitação condicional a modificações, ou a rejeição do manuscrito. A identidade dos avaliadores não será informada aos autores dos manuscritos. Os autores terão acesso às cópias dos pareceres dos avaliadores, que conterão as justificativas para a decisão do avaliador. O texto encaminhado aos avaliadores não terá identificação da autoria.

Versões reformuladas serão apreciadas por Conselheiros Editoriais, que podem solicitar tantas mudanças quantas forem necessárias para a aceitação final do texto. A decisão final sobre a publicação de um manuscrito será sempre do Editor Geral. A identidade dos autores poderá ser informada ao Conselho Editorial.

O Conselho Editorial reserva-se o direito de fazer pequenas modificações no texto dos autores para agilizar seu processo de publicação. Casos específicos serão resolvidos pelo Conselho Editorial.

No último número de cada ano da revista serão publicados os nomes dos avaliadores que realizaram a seleção dos artigos daquele ano, sem especificar quais textos foram analisados individualmente.

Antes de enviar os manuscritos para impressão, o Editor enviará uma prova gráfica para a revisão dos autores. Esta revisão deverá ser feita em cinco dias úteis e devolvida à revista. Caso os autores não devolvam indicando correcções, o manuscrito será publicado conforme a prova. Os autores de manuscritos aceites deverão enviar via correio convencional uma carta de concessão de direitos autorais para a revista, assinada por todos. 

Os artigos aceites e editados estarão disponíveis apenas eletronicamente no site edupsi.utad.pt. Autores e co-autores podem obter cópias on-line para distribuição.